Skip navigation

Category Archives: Arte

O Kitsch  que é usado para categorizar objetos de valor estético distorcidos e/ou exagerados, que são considerados inferiores à sua cópia existente. São freqüentemente associados à predileção do gosto mediano e pela pretensão de, fazendo uso de estereótipos e chavões que não são autênticos, tomar para si valores de uma tradição cultural privilegiada. Eventualmente objetos considerados kitsch são também apelidados de brega no Brasil. A produção Kitsch surge para suprir a demanda de uma classe média em ascensão, que não conseguia entender e aceitar a arte de vanguarda, com suas propostas inovadoras, mas desejava participar do “universo da arte. Esta parte da população não teve a sensibilidade artística educada e, portanto, não desenvolveu o gosto, mas queria parecer culta e apreciadora da arte, porque isto lhe conferia status social.

Anões de jardim

Anões de jardim

O kitsch se propõe a valores sublimes. A literatura de mau gosto feita com intenções comerciais e que usam o “efeitismo” – o efeito, a emoção sentidos pelo leitor são esperados e iguais. Músicas, novelas e até a arquitetura: um edifício ou uma casa no estilo neoclássico, típico do século XIX, com falsa colunas gregas de concreto e falsos frontões é Kitsch porque deslocado no tempo, feito de materiais contemporâneos e inadequado ao uso. Uma construção neoclássica não responde às necessidades de vida do século XXI, precisando, para isso, ser adaptada, deformada, tornando-se, assim, simplesmente um cenário. Essas características conjugadas do Kitsch agem sobre nosso sentido nos causando um “curto-circuito” da sensibilidade.

Ronaldo Fraga São Paulo Fashion Week, janeiro de 2009

Ronaldo Fraga São Paulo Fashion Week, janeiro de 2009

Ronaldo Fraga São Paulo Fashion Week, janeiro de 2009

Ronaldo Fraga São Paulo Fashion Week, janeiro de 2009

Utilizar a técnica como parte da expressão artística é a grande mudança que chegou com a arte e tecnologia.

Pesquisadores e artistas independentes revolucionam o olhar tradicional com as novas formas de expressão artísticas. Nanotecnologia, biotecnologia, arte on-line, trabalhos colaborativos e ativismo via web são as novidades em arte e tecnologia no Brasil.

arte e tecnologia 1

Utilizar a técnica como parte da expressão artística é a grande mudança que chegou com a arte e tecnologia. O gênero já atraiu pesquisadores e artistas independentes de todo o Brasil.

arte e tecnologia 3

O surgimento e a diferenciação da arte e tecnologia no Brasil foi influenciado por tendências no exterior.

concretimo e neoconcretismo

O Neoconcretismo foi um movimento artístico surgido no Rio de Janeiro em fins da década de 1950 como reação ao concretismo ortodoxo.

Os neoconcretistas procuravam novos caminhos dizendo que a arte não é um mero obejto: tem sensibilidade, expressividade, subjetividade, indo muito além do mero geometrismo puro.

concreto e neoconcreto arte contemporanea

concretismo egico

Concretismo foi um movimento vanguardista surgido em 1950, inicialmente na música e depois na poesia e nas artes plásticas.Defendia a racionalidade e rejeitava o Expressionismo, o acaso. Nas obras não há intimismo nem preocupação com o tema, o intuito era acabar com a distinção entre forma e conteúdo e criar uma nova linguagem.

Cori

Veja a galeria completa do desfile da Cori no iG Moda (verão 2009) A alfaiataria é o ponto forte da Cori. Aqui ela vem com a silhueta mais reta e bem justa ao corpo. Aliás, a novidade dessa estação são as calças retas e afuniladas que substituem as pantalonas. Dudu Bertholini e Rita Comparato partem da arquitetura, do concretismo e do futurismo para criar a coleção da Cori.

Durante a década de 1960, poetas e músicos do movimento passaram a se envolver em temas sociais, geralmente sem influência na obra, sendo somente uma ligação pessoal. As obras passaram a ser mais preocupadas com a inovação da linguagem, do que como obvio.

Lino Villaventura

Lino Villaventura encera SPFW 2009 com moda concretista sem bula para fashionistas interpretarem.

A Pop Art surgiu no final dos anos 50 na Inglaterra quando artistas como Peter Blake e Richard Smith começaram a criar arte com elementos populares e propagandas. A Grã-Bretanha estava se reconstruindo após a 2ª Guerra Mundial e eles estavam fascinados com o American way of life, que também era explorado nas pinturas desses artistas.

"O que é que torna o lar dos nossos dias tão diferente, tão atraente?" obra de Richard Hamilton que é considerada a primeira obra da Pop Art
“O que é que torna o lar dos nossos dias tão diferente, tão atraente?” obra de Richard Hamilton que é considerada a primeira obra da Pop Art

Em 1963 duas exposições levaram a Pop Art para o seu país representativo: os Estados Unidos. A partir desse momento nomes como Roy Lichtenstein e Andy Warhol apareceram para nunca mais saírem da história da arte.

"Whaam!" de Roy Lichtenstein
“Whaam!” de Roy Lichtenstein

A arte deixou de ser elitista e passou a ser parte do povo. A Coca-Cola e a sopa Campbell foram retratadas e acabaram em galerias de arte. Muitos críticos da época não consideravam a Pop Art como um tipo de arte porque ela se aproximava muito da publicidade, mas os artistas retrucavam dizendo que a publicidade também é um tipo de arte, pois também envolve processo criativo e todas as artes são feitas pra venda.

"Sopas Campbell" de Andy Warhol
“Sopas Campbell” de Andy Warhol

Andy Warhol virou ícone do movimento. Ele tem todas as características da Pop Art, se vendia como uma mercadoria. Vários sósias andavam pela cidade de Nova York freqüentando todas as festas possíveis para garantir pelo menos uma foto no jornal. Uma de suas obras mais famosas é a Marilyn, uma foto da atriz americana Marilyn Monroe, com pixels estourados e cores chapadas (característica dessa arte). As obras eram produzidas em massa por impressoras pegando a onda do capitalismo mega consumista que fazia parte do American way of life.

"Marilyn" de Andy Warhol
“Marilyn” de Andy Warhol. Vários críticos acreditam que as obras de Andy Warhol sobre Marilyn Monroe tiveram mais impacto sobre a fama dela que os tablóides e Hollywood.
Andy Warhol
Andy Warhol

Outras características da Pop Art eram as colagens e a apropriação de obras e imagens para criar ícones da época.

Cadeiras de Silvia Zacchello
Cadeiras de Silvia Zacchello
Meias Picida
Meias Picida

Na moda a Pop Art aparece principalmente em estampas.

T-Shirt da 80's Purple, Andy Warhol Collection
T-Shirt da 80’s Purple, Andy Warhol Collection
Desfile de Jean-Charles de Castelbajac na Semana da Moda de Paris, Outono/Inverno 2010
Desfile de Jean-Charles de Castelbajac na Semana da Moda de Paris, Outono/Inverno 2010

As tribos urbanas, ligadas por ocupações, interesses comuns ou amizade, compartilham características semelhantes quanto a gosto musical, modo de pensar, maneira de se comportar e jeito peculiar de vestir. Às vezes por trás das atitudes tomadas pelos integrantes há motivação ideológica, às vezes não.

Nos anos 60, nos Estados Unidos, surgiram os roqueiros, cujo som foi imortalizado por Elvis Presley, Beatles, Rolling Stones, dentre muitos. A guerra do Vietnã deu ao movimento na época um caráter político, por causa das letras de músicas com caráter de protesto. No Brasil, Rita Lee se eternizou como a mais célebre representante do rock nacional.

Elvis Presley
Elvis Presley

Rita Lee

Rolling Stones
Rolling Stones
Coca-Cola estilizada do Kiss
Coca-Cola estilizada do Kiss
Beatles
Beatles

Alexandre Herchcovitch
Alexandre Herchcovitch

Na mesma década muitos jovens tornaram-se conhecidos como nerds, dada a preferência pelos estudos, trabalho, filmes em série, desenhos, games, brinquedos ninjas, hqs., tecnologia, além de certa  propensão para o isolamento social. Com o tempo passaram a ser vistos como fáceis de relacionamento com amigos portadores dos mesmos hábitos e rara capacidade em aceitar o diferente.

nerdsNerds1

Editorial da Revista Mag sobre nerds
Editorial da Revista Mag sobre nerds

Já no final do século XX, a partir de algumas bandas do cenário punk americano, surgiram os emos. A tribo, composta por adolescente, curte um repertório exacerbadamente romântico. Seus membros apresentam-se com cabelos lisos, desgrenhados com laquê, e franjão colorido. A maquiagem usada é pesada, por causa dos olhos contornados por cajal. As roupas escuras ou com xadrez, são complementadas por óculos e outros adornos como pulseiras, colares, meias de cor, cintos e tênis personalizado.  Comunicam-se pela internet e freqüentam muito os shoppings.

Emos
Emos

emos e roqueiros

ARTE CONCEITUAL

Para o movimento artístico que conhecemos como conceitual, as idéias veiculadas pela obra são mais importantes do que os meios usados ou o resultado. Assim prenunciava Marcel Duchamp no início do século XX, quanto ao que veio constituir a modernidade.

A Fonte - Marcel Duchamp

A Fonte - Marcel Duchamp

BODY ART/BODY MODIFICATION

A body art está associada à arte conceitual. Nela o corpo é utilizado como suporte ou meio de expressão. O expectador pode atuar de forma passiva como voyeur ou agente interativo.

Quando o que se busca resulta na alteração do corpo, para alguns deve ser chamado de body modification.

corpo pintado 2

body  modificationcorpo, moda e perfomance

PERFOMANCE

Esta forma de criação artística envolve os mesmos conceitos da body art, mas produz outros significados na medida em que vai se resolvendo no tempo e espaço eleitos para sua realização. O performer, através da ação que desencadeia com um mínimo de controle, busca a transformação do corpo em signo. É um trabalho desenvolvido em determinado tempo, numa relação espacial onde estão envolvidos artista e espectador.

Na performance o papel do corpo é mais instrumental, mais interativo, não só com o espectador  mas com outros elementos que  em geral estão presentes. Tende a ser um espetáculo.

A MODERNIDADE NA MODA

No mundo da moda, quem se propõe a criar o conceitual releva a segundo plano o look comercial. A capacidade criativa do estilista, o potencial da grife, é o que precisa ser mostrado.

Alexander McQueen

Alexander McQueen

As passarelas vão se transformando cada vez em palcos espetaculares, pisados por jovens bonitos, muitas vezes fazendo coreografias em espaços cenográficos, sob luzes fortes e som altíssimo. Quem nunca viu um styler que além de criar as roupas muitas vezes se propõe a mostrar seu lado de performer!

Quanto à body art, transporta-se através de segunda pele ou produtos outros adequados, em similares trabalhados no corpo.

Hussein Chalayan

Hussein Chalayan

No final da década de 50 o homem começou a explorar o espaço. Esse fato trouxe novas idéias e costumes para a população da época. As pessoas idealizavam o futuro com base na expansão espacial e isso era refletido nas artes, roupas, arquitetura, música, entre outros.

A arte e arquitetura minimalista se fundem criando espaços e quadros praticamente acromáticos, marcados pela repetição de forma e pela geometria. As instalações bi ou tridimensionais brincam com a escala de luz,formato, superfície, cor e relação com o ambiente.  Branco, preto e cinza dominavam a visão com raras inclusões de cores, na maioria das vezes, primárias.

Alguns artistas que se destacaram nesse movimento foram:

Sol LeWitt:

Sem Título
Sem Título

Donald Judd:

"Sem Título"
“Sem Título”

E Frank Stella:

"The Marriage of Reason"
“The Marriage of Reason”

O minimalismo é atemporal. Ele sempre vai ser futurístico e vai ser parte da moda. Nela, os looks são classificados como elegantes e ainda podem ser usados mesmo anos depois de seu lançamento. Roupas de alfaiataria, vestidos pretos básicos, camisetas brancas são ícones da moda que fazem parte desse estilo. Um exemplo de marca minimalista é a Calvin Klein.

Calvin Klein

Propaganda feminina da Calvin Klein

Propaganda feminina da Calvin Klein

New York Fashion Week 02.2009

New York Fashion Week 02.2009

Calvin Klein 2007

Calvin Klein 2007

O minimalismo também surge na música e na literatura. Na primeira ele é marcado pela repetição de sons e pouca variação de notas, na segunda ele aparece em pequenos textos que não utilizam advérbios para ficarem menores.